7 - TIRANDO DÚVIDAS DE PASSAGENS DO NOVO TESTAMENTO

 
Embora seja verdade que os santos só ressuscitarão no dia da volta de Jesus, há certas exceções mencionadas na Bíblia Sagrada, ou seja, pessoas que subiram aos Céus, sendo os primeiros a serem levados as mansões celestiais. Primeiro veremos a regra bíblica sobre a morte e depois e exceção.

14 - SENHOR JESUS, QUANDO OS MORTOS RESSUSCITARÃO?

a) João 6:39: E a vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia.

b) João 6:40: Porquanto esta é a vontade de meu Pai: Que todo aquele que vê o Filho e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.

c) João 6:44: Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.

d) João 6:54: Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.

e) João 12:48: Quem me rejeita, e não recebe as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o julgará no último dia.

O TESTEMUNHO DE MARTA:

f) João 11:24: Disse-lhe Marta: Sei que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia.

O Ultimo Dia = Dia da Segunda Vinda. LER I TESSALONICENSES 4:15-18 ou pergunta 8.

15- QUAIS OS SERES HUMANOS QUE JÁ FORAM PARA O CÉU?

1- Enoque, foi trasladado vivo antes do Dilúvio. Gênesis 5:22-24.

2- O Profeta Elias, também foi levado vivo. II Reis 2:9-14.

3- Moisés, que foi ressuscitado após a sua morte quando o arcanjo Miguel enfrentou Satanás pela disputa de seu corpo. Judas 1:9. Tanto Elias, quanto Moisés descem do Céu para conversar com Jesus em Mateus 17:3.

4- Algumas pessoas que ressuscitaram na morte de Jesus na Cruz e que não são identificadas pela Bíblia. Mateus 27:52.

5- E é claro Jesus, o pré-existente Filho, que desceu do Céu e voltou ressurreto para lá. João 3:13, Atos 1:9.

Para mostrar novamente como os casos acima são exceção a regra, veremos 2 casos de homens santos que a Bíblia declara que não estão no Céu:

O Rei Davi subiu aos Céus?

"Irmãos, seja-me permitido dizer-vos claramente a respeito do patriarca Davi, que ele morreu e foi sepultado e o seu túmulo permanece entre nós até hoje". Atos 2:29 - o texto continua comparando Davi com Jesus que não está morto porque ressuscitou.

O Profeta Daniel, querido por Deus, subiu aos Céus?

"Vai, Daniel porque essas palavras (a sua profecia) estão encerradas e seladas até o tempo do fim. Tu porém segue o teu caminho até o fim, pois descansarás e, ao fim dos dias te levantarás para receber a sua herança". Daniel 12:9 e 13.

Como podemos ver Daniel só se levantará no TEMPO DO FIM, no fim dos dias. É como a irmã de Lázaro falou a Jesus: "Sim eu sei que ele ressuscitará no ultimo dia". Caso Jesus não tivesse ressuscitado Lázaro ele só iria acordar de novo no ULTIMO DIA.

16- SE TUDO ISTO É VERDADE, COMO EXPLICAR O FATO DE CRISTO TER DITO AO LADRÃO NA CRUZ QUE AMBOS ESTARIAM NO CÉU NO MESMO DIA?

Em verdade te digo, hoje estarás comigo no paraíso. Lucas 23:43.

Certamente o texto não foi traduzido da maneira correta. O novo testamento foi escrito em grego e os originais não traziam nenhuma pontuação. A pontuação foi colocada ao longo dos séculos e quando a Bíblia foi traduzida para outras línguas. A passagem do ladrão na cruz precisa ser traduzida de maneira lógica para estar de acordo com o que Cristo disse a Maria Madalena no primeiro dia da semana, ou seja, 3 dias depois:

"Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai ..." S. João 20:17.

Veja que 3 dias depois ele ainda não havia subido aos céus. Ora, então Cristo mentiu ao ladrão na cruz? Em uma única frase demoliu todas as dezenas de passagens que fala da morte como um sono? È claro que não, por isto o motivo da passagem ter sido traduzida levianamente para favorecer o ponto de vista baseado na filosofia grega da maioria das igrejas. Tanto que o correto seria:

"Em verdade te digo hoje, estarás comigo no paraíso."

Caso ainda tenha dúvidas é só você pesquisar as diferentes traduções da Bíblia e verá que cada tradutor arroja a vírgula em algum lugar da frase como lhe convém e não baseado em outras passagens bíblicas. Certas traduções ainda trazem a expressão “que” no lugar da vírgula, que não consta no texto grego.

A cópia do Códice Vaticano nos comprova que nos Manuscritos primitivos unciais não havia separação das palavras e nenhum sinal de pontuação. A conhecida e muito útil obra História, Doutrina e Interpretação da Bíblia do autor batista Joseph Angus, traduzida para o português por J. Santos Figueiredo no Volume 1, pág. 38 nos informa o seguinte a respeito da pontuação na Bíblia:

No oitavo século foram introduzidos outros sinais de pontuação. No nono foram introduzidos o ponto de interrogação e a vírgula.

O livro Arte de Pontuar de Alexandre Passos, página 22 nos afirma que estudando a história da pontuação através dos séculos, vemos que no V ou VI séculos os textos dos Evangelhos não apresentam nem ponto nem vírgula. Afirma ainda, este mesmo autor, que a separação das palavras na Bíblia torna-se mais freqüente no VII século. A ausência de pontuação deixa os tradutores na possibilidade de colocarem a pontuação de acordo com suas idéias preestabelecidas.

É evidente, que a mudança de pontuação, pode alterar totalmente o significado de uma frase, como nos comprovam as afirmações de Rui Barbosa na Réplica, vol. II, pág. 195:

Bem é que saiba o nosso tempo quanto bastará, para falsificar uma escritura. Bastará mudar um nome? Bastará mudar uma cifra? Digo que muito menos nos basta. Não é necessário para falsificar uma escritura mudar nomes, nem palavras, nem cifras, nem ainda letras, basta mudar um ponto ou uma vírgula.

A questão é: Quis Jesus dizer, literalmente, 'Verdadeiramente eu te digo hoje', ou 'Hoje estarás comigo no paraíso'? A única maneira de conhecer o que Cristo queria indicar é descobrir respostas escriturísticas para algumas outras questões, tais como:

1ª) Foi Jesus ao paraíso no dia de Sua crucifixão?

Sabemos que Jesus não foi ao Paraíso no dia da crucifixão, pois ele mesmo declarou a Maria Madalena, três dias após a morte: "Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai.. . " João 20:17. Se Jesus não esteve no Paraíso naquele dia, é evidente que o ladrão também lá não esteve.

Uma leitura atenta de S. João 19:31-33 nos científica que o ladrão não morreu naquela sexta-feira:

"Então os judeus, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação, pois era grande o dia daquele sábado, rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados. Os soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e ao outro que cem ele tinha sido crucificado: chegando-se, porém, a Jesus, como vissem que já estava morto, não lhe quebraram as pernas”

O estudioso J. B. Howell, em seu Comentário a São Mateus, pág. 500 declara:

O crucificado permanecia pendurado na cruz até que, exausto pela dor, pelo enfraquecimento, pela fome e a sede, sobreviesse a morte. Duravam os padecimentos geralmente três dias, e, às vezes, sete.

2ª) O que ensinou Jesus concernente ao tempo em que os homens teriam a recompensa?

A Bíblia está repleta de claros exemplos mostrando que o galardão dos justos será apenas após a volta de Jesus. Dentre as muitas passagens destaquemos esta DUAS:

a) Apoc. 22:12 – "Eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras."

b) Mateus 16:27 – "Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos e então retribuirá a cada um conforme as suas obras.

Como vimos o Novo Testamento foi escrito originalmente em grego. Assim sempre será bom pesquisar traduções da Bíblia feitas por pessoas diferentes para chegarmos a uma conclusão sobre qualquer assunto controvertido. Sendo assim, vejamos outras traduções das sagradas escrituras de João 20:17:

a) Tradução Trinitariana, em português, editada em 1883, pela "Trinitarian Bible Society" de Londres. Diz: "Na verdade te digo hoje, que serás comigo no Paraíso."

b) Emphasized New Testament, de Joseph Bryand Rotherham, impresso em Londres, em 1903, assim reza: "Jesus! Lembra-te de mim na ocasião em que vieres no Teu reino. E Ele disse-lhe: Na verdade, digo-te neste dia: Comigo estarás no Paraíso."

c) The New Testament, de George M. Lamsa, de acordo com a Texto Oriental, traduzido de fontes originais aramaicas, diz: "Jesus lhe disse: Na verdade te digo boje, estarás comigo no Paraíso."

d) A chamada Concordant Version, em inglês, assim traduz: "E Jesus lhe disse: 'Na verdade a ti estou dizendo hoje, comigo estarás no Paraíso."

e) O famoso manuscrito curetoniano da Versão Siríaca, existente no Museu Britânico assim reza: "Jesus lhe disse: Na verdade te digo hoje, que comigo estarás no Jardim do Éden."

Diante destes fatos, porque dizer que as pessoas que seguem a Bíblia “torcem o sentido?" Que é interpretação "fútil e capciosa?"

E há mais ainda: o comentário da Oxford Companion Bible, que diz: " 'Hoje' concorda com 'te digo' para dar ênfase à solenidade da ocasião; não concorda com "estarás'."

17- A PARÁBOLA DO RICO E DO LÁZARO (LUCAS 16:19-31)

A Parábola do Rico e do Lázaro conta a história de um mendigo doente que jazia na porta de um rico. O rico não o ajudou na sua miséria. Quando ambos morreram o rico foi levado ao “inferno” e Lázaro ao “seio de Abraão”. No entanto ambos podem conversar a certa distância. O rico pede que Abraão mande Lázaro para avisar os irmãos dele, que eram ricos, para que mudem de atitude e não tenham o mesmo destino que ele. Abraão responde que os vivos possuem “os profetas”, ou seja, as escrituras, que ensinam seus deveres. E se não ouvem as escrituras não ouvirão nem queum morto ressuscite.

O relato do Rico e do Mendigo é uma parábola. Como a do joio e do trigo, da pérola de grande preço, do tesouro escondido, dos lavradores maus, etc. As parábolas não eram fatos verídicos, eram estórias que serviam como ilustrações para lições importantes. Tal homem rico e tal mendigo, jamais existiram. O objetivo desta parábola, não era ensinar sobre a imortalidade da alma, e sim uma reprovação ao fariseus que eram avarentos e tinham desprezo pelos pobres.

Moisés deixou várias instruções sobre o cuidado com os pobres, e o sistema de ofertas dado por Deus, através de Moisés, tinha por objetivo, combater a pobreza e a avareza. Os fariseus se diziam tão zelosos e cuidadosos em obedecer os ensinos de Moisés, mas através desta palavra Jesus, mostrou que por causa de sua avareza os fariseus não estavam seguindo realmente os ensinos de Moisés. É isto que propõe a parábola, que nem mesmo que algum dos antepassados famosos de Israel ressuscitasse, não conseguiria persuadir os fariseus a abandonar a avareza, como vemos no seu verso final:

“Abraão, porém, lhe respondeu: Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos”. Lucas 16:31

Existem outros detalhes que comprovam ser este relato uma parábola. Não é real, pois na parábola o Seio de Abraão e inferno estão tão distantes um do outro, ou seja, separados por um grande e intransponível abismo (verso 26) entretanto, o Rico e Abraão podem conversar como se estivessem face a face, e o rico pede que Lázaro molhe a ponta do dedo na água e lhe refresque os lábios. Outro relato bíblico usa também uma linguagem figurada para explicar uma verdade é o apólogo de Jotão. (Juizes 9:7-21) onde as árvores saem a procura de um rei. No apólogo as árvores falam, pensam e tem sentimento . O fato do apólogo dar as árvores caracteres humanos, não significa que as árvores tem personalidade e sentimento. O mesmo princípio se aplica a 1° parábola.

 

[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9]