O que diz o Novo Testamento sobre o dízimo?

 

O dízimo como oferta obrigatória de gado e mantimentos só é especificado a partir de Moisés no Antigo Testamento. Não é como o mandamento do sábado que havia antes e, por isso, inicia-se com o apelo: "Lembra-te do dia de sábado..." Não há registrada uma ordem como: "Lembra-te do dízimo para o separar..."

No tempo de Abrão, não havia obrigatoriedade de devolução do dízimo ou lei que a exigisse, embora, talvez, existisse o costume. Tanto que, pelo que sabemos da Bíblia, Abraão só o fez, uma única vez. E o fez partilhando não dez por cento de sua renda, mas a décima parte da riqueza de Ló e dos habitantes de Sodoma e Gomorra, que havia recuperado, segundo o relato de Gênesis 14.

Quem cita esse exemplo de Abrão para justificar o dízimo, não repara que aquelas riquezas não lhe pertenciam, nem se lembra de que quando Deus fez todas as promessas a Abrão, não lhe pediu dízimo algum (Gênesis 12:1-3). Quando Deus pediu, de fato, algo a Abraão, pediu-lhe o que tinha de mais precioso: seu filho Isaque! (Gênesis 22.)

Promessas pessoais esporádicas, como a de Jacó (Gênesis 28:20-22), também não servem como sinalizador da obrigatoriedade do pagamento do dízimo a sacerdotes. O voto de Jefté em relação à virgindade de sua filha, por exemplo, é um caso desses (Juízes 11:30-40).

Portanto, irmão, diria que o DIZIMAR do Antigo Testamento foi substituído pelo PARTILHAR TOTAL do Novo. E para facilitar a compreensão, exponho nossas idéias a respeito, através do sistema de perguntas e respostas do estudo bíblico abaixo:

1. Que conselho nos dá Jesus acerca do uso de nosso dinheiro e qual a razão por Ele apresentada como justificativa?

R. Mateus 6:19-21:

19 Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; 20 mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; 21 porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.

2. De que maneiras podemos ajuntar tesouros no Céu, segundo o ensino de Jesus Cristo?

R. Mateus 19:21-22:

21 Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro no céu; depois, vem e segue-me. 22 Tendo, porém, o jovem ouvido esta palavra, retirou-se triste, por ser dono de muitas propriedades.

3. E como ficaria então a questão do sustento dos pregadores do Evangelho?

R. Mateus 10:8-14:

8 Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demônios; de graça recebestes, de graça dai. 9 Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos; 10 nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão; porque digno é o trabalhador do seu alimento. 11 E, em qualquer cidade ou povoado em que entrardes, indagai quem neles é digno; e aí ficai até vos retirardes. 12 Ao entrardes na casa, saudai-a; 13 se, com efeito, a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz; se, porém, não o for, torne para vós outros a vossa paz. 14 Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés.

4. Há algum exemplo de Jesus Cristo, sugerindo que partilhemos 100% de nossas posses em lugar de apenas pagar 10%, como fez ao jovem rico?

R. Marcos 12:43-44:

43 E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta viúva pobre depositou no gazofilácio mais do que o fizeram todos os ofertantes. 44 Porque todos eles ofertaram do que lhes sobrava; ela, porém, da sua pobreza deu tudo quanto possuía, todo o seu sustento.

5. Mas isto funciona, daria certo na igreja?

R. Veja como era com os cristãos primitivos:

Atos 2:44-45:

44 Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. 45 Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade.

Atos 3:6-7:

6 Pedro, porém, lhe disse: Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda! 7 E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, os seus pés e tornozelos se firmaram;

Atos 4:32-35:

32 Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. 33 Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. 34 Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes 35 e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade.

6. Menos do que 100% partilhado não servia? - Atos 5:1-3:

1 Entretanto, certo homem, chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade, 2 mas, em acordo com sua mulher, reteve parte do preço e, levando o restante, depositou-o aos pés dos apóstolos. 3 Então, disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo?

Observe ainda este importante testemunho bíblico acerca do fim do sustento dos levitas, através dos dízimos, encontrados em versículos anteriores, pois o relato mostra um levita vendendo propriedade para entregar os recursos obtidos aos apóstolos:

Atos 4:36-37:

36 José, a quem os apóstolos deram o sobrenome de Barnabé, que quer dizer filho de exortação, levita, natural de Chipre, 37 como tivesse um campo, vendendo-o, trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos.

7. E depois disto, qual o modelo adotado pelos verdadeiros apóstolos? - II Coríntios 12:14-18:

14 Eis que, pela terceira vez, estou pronto a ir ter convosco e não vos serei pesado; pois não vou atrás dos vossos bens, mas procuro a vós outros. Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos. 15 Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado? 16 Pois seja assim, eu não vos fui pesado; porém, sendo astuto, vos prendi com dolo. 17 Porventura, vos explorei por intermédio de algum daqueles que vos enviei? 18 Roguei a Tito e enviei com ele outro irmão; porventura, Tito vos explorou? Acaso, não temos andado no mesmo espírito? Não seguimos nas mesmas pisadas?

Atos 20:33-35:

33 De ninguém cobicei prata, nem ouro, nem vestes; 34 vós mesmos sabeis que estas mãos serviram para o que me era necessário a mim e aos que estavam comigo. 35 Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar que receber.

II Coríntios 9:6-7:

6 E isto afirmo: aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará. 7 Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria.

8. Não diz a Bíblia que o sacerdócio mudou e que agora o dízimo deve ir para "a ordem de Melquisedeque"?

R. Hebreus 7:5-14, aliás, todo o livro de Hebreus, fala do fim das leis referentes ao sacerdócio levítivo, incluindo o mandamento do dízimo, porque Jesus Cristo é o nosso único e grande sumo sacerdote!

5 Ora, os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm mandamento de recolher, de acordo com a lei, os dízimos do povo, ou seja, dos seus irmãos, embora tenham estes descendido de Abraão; 6 entretanto, aquele cuja genealogia não se inclui entre eles recebeu dízimos de Abraão e abençoou o que tinha as promessas. 7 Evidentemente, é fora de qualquer dúvida que o inferior é abençoado pelo superior. 8 Aliás, aqui são homens mortais os que recebem dízimos, porém ali, aquele de quem se testifica que vive. 9 E, por assim dizer, também Levi, que recebe dízimos, pagou-os na pessoa de Abraão. 10 Porque aquele ainda não tinha sido gerado por seu pai, quando Melquisedeque saiu ao encontro deste. 11 Se, portanto, a perfeição houvera sido mediante o sacerdócio levítico (pois nele baseado o povo recebeu a lei), que necessidade haveria ainda de que se levantasse outro sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque, e que não fosse contado segundo a ordem de Arão? 12 Pois, quando se muda o sacerdócio, necessariamente há também mudança de lei. 13 Porque aquele de quem são ditas estas coisas pertence a outra tribo, da qual ninguém prestou serviço ao altar; 14 pois é evidente que nosso Senhor procedeu de Judá, tribo à qual Moisés nunca atribuiu sacerdotes.

9. Jesus, nosso sumo sacerdote e rei como era Melquisedeque, explica-nos como podemos entregar-Lhe hoje nossas ofertas (comida, água e hospedagem)?

R. Mateus 25:34-40:

34 Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. 35 Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; 36 estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. 37 Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? 38 E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? 39 E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? 40 O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.

10. Entre os pobres com quem devo compartilhar, estão também os pregadores? Mateus 10:40-42:

40 Quem vos recebe a mim me recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41 Quem recebe um profeta, no caráter de profeta, receberá o galardão de profeta; quem recebe um justo, no caráter de justo, receberá o galardão de justo. 42 E quem der a beber, ainda que seja um copo de água fria, a um destes pequeninos, por ser este meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.

Pergunta do leitor:

Prezado Robson, a Bíblia nos diz que quem prega o evangelho deve viver do evangelho. Como você analisa essa ordem? Como devem os pregadores do evangelho viverem do evangelho? Gostaria, dentro do possível, que minha dúvida fosse publicada para a participação de todos. Grato. Wellington, RJ.

Ora, se o Evangelho nos ensina que a salvação nos é dada de graça, como um favor imerecido, devem também os evangelistas nada cobrar por isso e depender de favores de seus ouvintes, como ordenou Jesus Cristo. "'De graça recebestes, de graça dai.' Se lhe derem comida e abrigo, aceitem. Se não derem, deixem o assunto comigo. Quem lhes der, será recompensado também." O exemplo de Paulo e de seus auxiliares também pode ser seguido. Em resumo, diria que pregador deve viver pela fé e não viver na "mordomia", confiando na segurança que lhe oferece o sistema de salários e privilégios, garantidos pelas praxes da Obra. -- Robson Ramos

 

[1] [2] [3] [4] [5] [6]